domingo, 7 de maio de 2017

em cada esquina, uma descoberta


No dia do meu aniversário decidi ir à procura do BIG BUS 

para comprar bilhete de 48 horas, 

(seria para 5ª e 6ª feira) 

é assim que faço nas grandes cidades 

e, sinto que, para mim 

é a melhor forma de conhecer uma grande cidade, 

como HONG KONG. 




Então, fui de Metro até à estação CENTRAL 

que, é como aqui, em Lisboa, a estação BAIXA-CHIADO...

e, sabendo que queria visitar vários lugares 

decidi comprar o bilhete de metro para "24 horas - um dia"

...iria aproveitar e passar de linha para linha 

e de estação para estação, 

havia muito que ver e aproveitar! 

Mas a minha prioridade era mesmo encontrar o "Big Bus" 

e ficar já com os bilhetes comprados para os dois dias. 

Eu perguntava em todas as esquinas 

e ninguém me sabia dizer 

onde tinha início a rota do Big Bus. 

Saí nesta saída e, 

Ai...se eu soubesse!!! 

ia logo para "Central Piers" 

mas nada, ninguém me sabia dar essa informação.





nesta máquina 

comprava-se o bilhete para um único dia no metro...




subi a uma passagem superior, tipo corredor/passadeira 

onde os peões vão desde ali, a estação Central 

até ao cais marítimo principal, mas eu não sabia disso, 

apenas subi para percorrer o caminho para o outro lado da rua 

e continuava a perguntar. 

Lá de cima era esta a vista que eu tinha, 

autocarros, táxis, um movimento de carros enorme...






também vi este jardim numa rotunda

e, de repente olho para o céu 

e começo a ver os enormes arranha-céus 

e, lá continuava a tal passadeira superior, 

eram quilómetros 

e eu, ia... sem saber para onde!





vi um lugar relaxante, com repuxos de água 

e as pessoas ali se sentavam... 

por mim passavam executivos de gravata e fato 

e eu a todos perguntava 

e, ninguém me dizia onde encontrar o Big Bus...




continuava... porque sou persistente, não desisto 

e tenho outra qualidade: ser curiosa 

e, só pensava... "vou vendo já esta zona, fica vista" 

de repente, avisto uma roda gigante e o Victoria Harbour

ok... pensei: "vou fazer umas fotos" 

e até gosto de ver o vai-vem dos barcos...

Estava a descobrir uma outra parte da cidade 

diferente daquela onde eu estava alojada...



5 comentários:

  1. uma rota completamente às escuras, sem saber onde ia terminar
    e, lá ia eu...

    "Apetecia-me descobrir a cidade”

    por exemplo, aqui registar um diário

    “como se fosse um caderno de viagens”

    “Fazer uma série de registos de pessoas, lugares e também o diário da viagem em Hong Kong.

    ”O que me proponho fazer é descobrir a cidade através do meu olhar"

    e, falar do que descobri por aqueles caminhos - o próprio tecido urbano.

    como uma espécie de uma janela com uma vista sobre qualquer coisa...

    Assim, “mostro um bocadinho, mas outra parte fica apenas na minha memória fotográfica"!!!

    Aquelas letras ou símbolos da identidade da cidade
    que ia detectando passo a passo
    sem nada entender...

    e outros elementos gráficos interessantes para captar

    uma espécie de enigma, para mim... ALI SOZINHA

    A cada ruela, uma descoberta!

    ResponderEliminar
  2. A malta de Hong Kong não é propriamente um exemplo de simpatia.
    Mas é muito estranho que não lhe tenham dado essa informação.
    Acontece...
    Boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, analisando bem...
      em todas as cidades grandes existem autocarros do género do "BIG BUS"
      e, acredito que se também perguntarem aos cidadãos que trabalham em Lisboa, onde começa a rota...
      que não saibam ao certo, poderão dizer...
      eu vejo-os passar por aí, mas onde começa também não sei...
      era a resposta que eu mesma daria!!!

      Daí a dificuldade que eu tive
      além das pessoas que habitam uma cidade não necessitarem dos autocarros turísticos
      pois, na realidade, quem precisa são os turistas
      o que senti foi muita dificuldade na comunicação...

      Não entendem a língua inglesa, de todo!!!
      O que me surpreendeu e muito.

      Eliminar
  3. Ui, tudo muito complicado para mim. Tenho viajado muitas vezes sozinho (só na Europa e em países ditos civilizados) e de uma maneira ou outra l´
    a me vou desenrascando. O que gosto mais é voltar onde já estive e assim ter mais segurança e conhecimento. Por outro lado, também me permite aperceber de coisas de que não me tenha apercebido da primeira vez. Mas, isto na Europa, que é já ali... agora quando "ouço" tu escreveres com esta descontracção sobre lugares do "fim do mundo" fico completamente transtornado (no bom sentido) e a admirar cada vez mais a tua coragem e a maneira como pões em prática os teus sonhos... continua... és uma verdadeira viajante no tempo e no espaço. :-)

    ResponderEliminar
  4. Ui, não posso dizer que não foi complicado também para mim, mas ultrapassei...

    Sei que viajas a trabalho sozinho
    pois tem que ser a "Lei do desenrascanço mesmo"
    ...
    Não... não gosto nada de voltar onde já estive
    o Mundo é tão grande, porquê ir outra vez para o mesmo lugar?
    Acho uma perca de tempo repetir lugares....

    só se for em trabalho como vais e tem mesmo que ser...

    Ah, pois é já ali... mesmo!!!

    Quem anda como eu, precisa dessa descontracção, acredita!

    Obrigado, haja alguém que admire a minha coragem
    e a maneira como ponho em prática os meus sonhos...

    SIM, sou uma verdadeira viajante no tempo e no espaço. :-) e ADORO

    ResponderEliminar